Blog Mentores

Blog Mentores Blog Mentores

blog blog
Pesquisa

Site Responsivo ou Aplicativo, qual a melhor plataforma para a sua empresa?

O comportamento dos usuários na internet nos últimos anos mudou com os avanços da tecnologia e o crescente mercado digital. Além do computador, acessamos a web hoje em dispositivos móveis e, inclusive, podemos também usar internet em vários outros objetos conectados.

Foram constatados 110 milhões de brasileiros internautas no ano de 2015, e 72 milhões utilizando smartphones. As empresas, do mesmo modo, devem seguir este fluxo, adaptando-se às plataformas atuais.

Muitas ainda precisam se atualizar quanto a esta realidade e não sabem qual a melhor opção entre um aplicativo e um site responsivo. E você? Já escolheu a melhor ferramenta para seu negócio? Podemos lhe ajudar a seguir.

Presença on-line

O primeiro passo é ter um site. É imprescindível, hoje, toda empresa ter um website comercial com suas informações mais importantes, como “Sobre”, “Contato” e “Endereço”, além de seu catálogo de produtos.

É a ferramenta de venda básica na internet e, com boas estratégias de SEO e inbound marketing, consegue atrair muitos clientes. É interessante que o design e as informações dispostas sejam encantáveis para garantir uma boa experiência do usuário.

O site é executado a partir de um browser, que interpreta o código HTML e gera a usabilidade, como o Chrome, Safari, Internet Explorer, Opera, entre outros, podendo ser visualizado tanto no computador quanto em um celular.

Agora, abra-o em um smartphone e perceba o que acontece. Se o usuário precisa sempre ficar movendo a tela para conseguir ler as informações descritas, gerará uma péssima experiência e, pode fazê-lo desistir de seu site. Logo, aconselhamos que sua empresa considere mudar de estratégia.

Responsividade

O site responsivo é adaptável à todas as interfaces móveis e seus diferentes tamanhos, sendo uma versão que permanece e ajusta os conteúdos como layout, imagens, menu, e outros, continuando tudo legível, sem ter que ampliar ou mover. Faça um teste diminuindo o tamanho do navegador de seu computador horizontalmente, para perceber seu comportamento automático!

Limitado ao uso em um browser, só é possível acessar um site responsivo estando on-line, o que pode deixar o carregamento da página mais lento, prejudicando, assim, a experiência do usuário. Por outro lado, seu custo-benefício pode ser melhor, tendo em vista que o investimento será em apenas um site.

Se sua empresa já possui um website, ele certamente abrirá no navegador do cliente, mas para deixar mais fácil a usabilidade e garantir que o internauta fique mais tempo navegando, é necessário transformá-lo em responsivo para não perder possíveis vendas! Além disso, a Google em seus mecanismos de busca, aumenta a pontuação nos rankings para os sites mobile-friendly, gerando assim, mais tráfego e mais clientes em potencial.

Aproveite essa ferramenta para atrair mais consumidores, se sua intenção é oferecer campos como “Sobre”, “Contato” e “Notícias”. Melhore sempre todas as suas informações, teste em todas as interfaces possíveis, e perceba o comportamento dos usuários para mais ajustes, ou, quem sabe, a criação de um aplicativo.

“Aplic-atividade”

Em 2015, subiu 58% o uso de aplicativos em relação ao ano anterior: um número considerável de usuários ativos desses softwares que podem ser instalados em smartphones ou tablets. Hoje, empresas de todos os nichos possuem aplicativos, visando trazer a melhor experiência para seus clientes.

Por trafegar apenas dados, o acesso é mais rápido e dinâmico. Além disso, é possível com um app aproveitar as funcionalidades facilitadas pelos smartphones que não encontramos nos sites responsivos, como o uso da geolocalização, câmera, notificações push, beacons de Bluetooth, sincronização com redes sociais, entre outras, para interagir com o público até off-line. Essa maior conexão, gera mais engajamento e melhora o atendimento, fidelizando aqueles clientes que costumam comprar com frequência.

O investimento em um aplicativo é maior, tendo em vista a pouca mão de obra neste mercado. É necessário, ainda, uma versão para cada sistema operacional, que compreendem as linguagens de programação Objective-C para iOS e Java para Android, por exemplo.

Para começar a usar, o consumidor precisa baixá-lo na App Store ou na Google Play. Isto, às vezes, pode dificultar o processo, por muitos usuários não terem “paciência” de esperar o download, o que percebemos nessa era de informações rápidas.

Comparando com sites, o público de aplicativos é menor, e é preciso ter cuidado para seu aplicativo ser atrativo o suficiente para o usuário não sentir vontade de desinstalá-lo depois do primeiro uso, o que é um comportamento frequente com esta ferramenta. Mas lembre-se: o nome e a logo da sua marca estarão sempre ao alcance dos olhos, em um ícone na tela do smartphone, instigando o cliente a acessar seu app mais uma vez!

Além de ter maior eficiência, os aplicativos são indicados para sites com muitas necessidades, como o grande volume de catálogo das lojas virtuais e a conveniência de uso para pedido de representantes, para guia de serviços e locais, estatísticas e resultados, informações e novidades, chamadas de atendimento, etc. Aderem, assim, a um grande mercado e a taxa de conversão é, também, maior, por sua grande capacidade de interação.

Experiência

Algumas empresas investem nas duas estratégias, pois sites responsivos e aplicativos, como visto, atendem à necessidades diferentes para aproximar seu público, mas, com certeza, as duas opções juntas otimizam o envolvimento e o compartilhamento de conteúdo.

Resumindo, crie sua presença virtual com seu site, atualize-se constantemente, mude para responsivo e, se necessário, desenvolva um aplicativo! Para mais informações fale com a Mentores, assine a newsletter do nosso blog e saiba como oferecer a melhor experiência para seus usuários!

 

Avatar Ingrid Marina postou 27/09/2018
toasty